A feminilidade dos anos 50

Depois dos árduos anos de guerra, nada mais natural para as mulheres do que resgatar a feminilidade quase perdida em meio a tanto militarismo e restrições.

Os anos 50 foram a última grande década do vigor da alta costura, antes do prét-a-porter tomar conta do mercado, deixando a alta costura para ocasiões especiais, digamos.

Nesta década, a silhueta predominante fora aquela lançada por Dior em 1947. Cintura no lugar, bem marcada e saia rodada e volumosa. Os vestidos/saias de uso diurno tinham o cumprimento que iam até logo abaixo dos joelhos. Em contrapartida os vestidos de noite eram longos e extremamente luxuosos.  Existia neles uma tendência à ostentação perdida nos anos de guerra. Os vestidos de festa poderiam ser tomara-que-caia, acompanhados de casacos de pele, colares de pérolas, ou jóias luxuosas, luvas compridas.

 

 

No dia-a-dia, ainda era bastante apreciado o uso de chapéus, geralmente pequenos, como casquetes, mas algumas vezes os mais amplos eram também usados. Eram muito mais simples do que aqueles usados durante a belle époque, mas considerados de extrema elegância. Era um período de beleza o otimismo, que se via nas roupas, objetos e decoração das casas.

Mulheres agora queriam ser mimadas e protegidas, voltavam a ser donas de casa e os homens voltariam a prover o que lhes era necessário. Existiu esta necessidade de fazer com que os papéis de homens e mulheres fossem bem definidos, e por isso, a mulher voltaria a cuidar do lar, de seu marido e seus filhos, evidenciando sempre a sua feminilidade. É interessante ver esse aspecto discutido no filme Mulheres Perfeitas (The Stepford Wives) em 1975, que ganhou uma nova versão com Nicole Kidman em 2004 enfatizando a estética supostamente perfeita dos anos 50. No filme, existe uma evidente crítica à escravização que uma sociedade machista podia (e ainda hoje pode) proporcionar às mulheres.

Vale a pena, porém, prestar atenção ao figurino do filme, que retrata muito bem como homens e mulheres costumavam se vestir na década de 50, bem como os costumes da época.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *