Roger Waters – The Wall Live…


… tá vindo aí. E é por isso que vamos falar do que realmente interessa: rock n’ roll.

Eu tive a oportunidade e o priviégio de assistir a esse espetáculo (pois é mais que um show de rock progressivo, é realmente um espetáculo.) a minha ida a Las Vegas. Experiência única na vida, devo dizer.

Como vocês devem saber (quem não souber está cometendo um sacrilégio), Roger Waters foi um dos fundadores e baixista do Pink Floyd , considerado como o cérebro da banda. Waters deixou o Pink Floyd em 1985 devido a diferenças criativas com o resto da banda e começou uma batalha legal com os outros membros usando o nome do grupo e do material gravado até o momento A disputa foi resolvida em 1987 e até que ele se apresentasse novamente com a banda passaram-se 18 anos.

Mas vamos deixar picuínhas e disputas de lado. O importante é que Waters está trazendo ao Brasil o espetáculo de um dos albuns mais significativos do Pink Floyd, o The Wall. Waters compôs as canções do álbum se baseando em fatos de sua vida pessoal, como a morte de seu pai durante a Segunda Guerra Mundial e sua infância na década de 50.

Waters escreveu também o roteiro do filme “Pink Floyd The Wall”. Em live-action/animação musical, foi produzido no ano de 1982 pelo diretor britânico Alan Parker. Possui poucos diálogos, sendo mais metafórico e movido pelas músicas de fundo sendo interpretadas e sequências de animação, dirigidas pelo cartunista político Gerald Scarfe.

O filme é encarado por muitos como um mega videoclipe, já que apenas duas das músicas que existem no disco não foram para o filme: “Hey You” (que mais tarde apareceu como material extra no DVD do filme) e “The Show Must Go On”. Mas outros encaram como um musical, o que não pode ser bem verdade já que apenas duas músicas são realmente cantadas: “Stop” e “In The Flesh” enquanto as outras são apenas versões de estúdio das músicas do álbum. Vale muito à pena dar uma conferida no filme.

Assista a um trechinho do filme, que inclui, dentre outras coisas, uma das mais famosas canções, Another Brick in The Wall, part 2:

Mas voltando ao que interessa: a tour. Waters iniciou a turnê com o concerto The Wall Live em 2010 (foi no final de 2012 que tive a oportunidade de assisí-lo de perto), e esse ano ele traz a turnê ao Brasil. Mais precisamente dia 25 de março fará uma apresentação no Estádio do Beira Rio, em Porto Alegre, dia 29 de março no Estádio do Engenhão no Rio de Janeiro e dia 01 e 04 de abril no Morumbi, em São Paulo.

O show custa o olho da cara, mas também pudera, como eu disse no início deste artigo, não é só um show de rock, é um verdadeiro espetáculo de luzes, projeções, a construção de um muro, cenografias e bonecos gigantes infláveis que surgem daqui e dali. Os bonecos são personagens que aparecem no filme, o professor que não deixa as crianças em paz, a mãe controladora, a esposa sedutora que acaba virando um monstro. E não poderia faltar também o porco inflável voador sobrevoando a platéia.

O muro vai sendo construído por roadies, enquanto Waters e sua banda tocam as canções do disco 1 do album The Wall e ao fundo (e em algumas partes do muro que está sendo construído) são feitas diversas projeções que compõem o filme. O muro é terminado de ser construído na frente dos músicos no fim do primeiro ato, e rola um intervalo. No segundo ato já não vemos os músicos. Vemos projeções no muro e Waters que de vez em quando aparece ou tocando, ou apenas cantando, seguindo a ordem cronológica dos acontecimentos cantados no álbum e no fim o muro é finalmente destruído.
De aplaudir de pé. Veja um pequeno teaser:

Este espetáculo foi idealizado por Waters ainda quando ele estava no Pink Floyd e foi considerado “Um dos mais ambiciosos e complexos shows de rock já encenados.” E eu espero sinceramente que vocês tenham a mesma oportunidade de assistir esse maravilhoso concerto assim como eu a tive.

Confira o Set List!

Set one

“In the Flesh?”
“The Thin Ice”
“Another Brick in the Wall (Part 1)”
“The Happiest Days of Our Lives”
“Another Brick in the Wall (Part 2)”
“Another Brick in the Wall (Part 2) Reprise”
“Mother”
“Goodbye Blue Sky”
“Empty Spaces”
“What Shall We Do Now?”
“Young Lust”
“One of My Turns”
“Don’t Leave Me Now”
“Another Brick in the Wall (Part 3)”
“The Last Few Bricks”
“Goodbye Cruel World”

Set two

“Hey You”
“Is There Anybody Out There?”
“Nobody Home”
“Vera”
“Bring the Boys Back Home”
“Comfortably Numb”
“The Show Must Go On”
“In the Flesh”
“Run Like Hell”
“Waiting for the Worms”
“Stop”
“The Trial”
“Outside the Wall”

Deixe uma resposta para Alex Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *