Poseidon – o senhor dos mares

Escultura de Poseidon em Copenhagen

O deus grego da semana é Poseidon, o senhor dos mares, um dos três grandes da tríade composta por Zeus, Poseidon e Hades. O deus que recentemente ficou famoso entre os adolescentes por causa do filme Percy Jackson.  Vamos à sua historia.

Depois da guerra de 100 anos entre deuses e Titãs, Zeus tomou o poder no Olimpo e e dividiu os domínios do mundo entre seus irmãos. Zeus ficou com o domínio dos céus como já vimos anteriormente, Poseidon com o reino dos mares, e Hades com o reino do submundo (o inferno).

Poseidon – conhecido na cultura romana como Netuno – era essencialmente um deus bom. Mas por ser extremamente poderoso, era bastante respeitado e temido. Em seus acessos de fúria, poderia causar grandes estragos, e os navegantes o adoravam e temiam exatamente por essa razão. Uma vez nos domínios de Poseidon, tudo poderia acontecer, e ninguém, em sã consciência, desejava enfrentar a fúria dos mares.

O poderoso deus era normalmente representado como um homem de barba e seu símbolo e arma era tridente, o qual era usado para bater o mar e para separar pedaços de rocha. Nas representações ele é frequentemente acompanhado por um golfinho.

Poseidon do filme Fúria de Titãs 2 - ator Danny Huston

A esposa de Poseidon era a nereida (ninfa do mar) Anfitrite. Ao conhece-la se apaixonou, mas a princípio a nereida o rejeitou e se escondeu nas profundezas dos mares. Ele não desistiu dela, e aos poucos ela foi mudando de ideia, decidindo, por fim, casar-se com Poseidon e tornando-se a rainha dos mares. Eles tiveram diversos filhos, entre eles o Tritão, um deus metade homem e metade peixe. Tritão era um fiel servidor de seus pais, atuando como seu mensageiro e acalmando as águas do mar para que a carruagem de Poseidon deslizasse com segurança. Para tal ele se utilizava de búzios como instrumento, produzindo assim uma música apaziguadora.

Poseidon, porém, assim como seu irmão Zeus, não era exatamente fiel. Se encantou por diversas outras deusas, semi-deusas e mortais, tendo diversos filhos fora de seu casamento. Muitos de seus filhos ilegítimos eram monstros e gigantes, que poderiam ser tão brutais quanto à ira de seu pai.

Um de seus filhos mais cruéis era o ciclope Polifemo. Filho de Poseidon e da ninfa Teosa, vivia uma existência solitária em uma caverna próxima à Sicília (junto ao Etna), cuidando de ovelhas. Na história de Omero, Polifermo é ferido em seu único olho por Odisseu (Ulisses) quando este e sua tripulação voltavam para casa depois da Guerra de Troia. Ele pede ao pai por vingança e Odisseu passa o resto da viagem de navio enfrentando a ira de Poseidon.

Alguns autores afirmam que ele era também o pai do belíssimo Pégasus, a belíssima figura mitológica de um cavalo branco e alado. Ele teve este filho com Medusa, antes dela ter sua beleza amaldiçoada por Atena. Em outra versão, Pegasus teria nascido do sangue que jorrou da cabeça de Medusa, quando esta foi cortada por Perseu.

 

Uma das mais famosas histórias envolvendo Poseidon, envolve também a deusa da sabedoria Atena. Certa feita, ambos disputavam o domínio de uma bela cidade. Ambos queriam ser adorados por aquele povo.  A fim de vencer a disputa, Poseidon presenteou os habitantes com uma fonte na Acrópole. Atena, por sua vez,  lhes entregou uma oliveira. A população da cidade preferiu os frutos que a oliveira poderia lhes dar e acabaram escolhendo Atena como padroeira da cidade que passou a se chamar Atenas. Aborrecido, Poseidon provocou uma inundação na planície de Elêusis.

Atena confrontando Poseidon, pintura em vaso, século VI a.C.

Poseidon era um pouco estrela, um pouco temperamental, um pouco cheio de si, mas não era um mau deus, não chegava a ser considerado injusto. Nos livros de Percy Jackson, e no filme também, ele nos passa a impressão de ser um deus bacana, apesar do temperamentalismo. Afinal, estrelismo era algo inerente à todos os deuses, raros eram os que transmitiam humildade. Então, que mal tinha, não é mesmo?

 

Poseidon do filme e livro Percy Jackson

Espero que tenham gostado! Conto mais histórias envolvendo os deuses, figuras mitológicas e seus filhos mais adiante. Semana que vem vou falar do último (mas não menos importante) deus do Olimpo. O último dos três grandes, o sombrio Hades, senhor das profundezas.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *