Mitologia Grega – As Amazonas e a Mulher Maravilha

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (que foi na última sexta-feira, dia 08/03), vamos falar hoje sobre as Amazonas.

Batalha de Gregos e Amazonas, Museu do Vaticano

As Amazonas era um povo formado apenas por mulheres. Como até bem pouco tempo atrás, na Grécia antiga mulheres não tinham muitos direitos, e se não casassem e tivessem filhos, não tinham utilidade para a sociedade. A única opção era ser esposa e mãe.

As amazonas eram mulheres que repudiavam este destino. Não queriam ser submissas aos homens, e acreditavam que a única maneira de serem livres era nunca se casando. Assim, formaram uma república feminina, que dizem ter sido situada  inicialmente no Cáucaso e depois na Capadócia, às margens do rio Termodonte.

Nessa nação feminina, faziam de tudo , como nós mulheres fazemos no dia de hoje. Trabalhavam cuidando das diversas atividades da sociedade delas, e tinham uma nação próspera. Caçavam também e eram guerreiras exímias, pra homem nenhum botar defeito.

A Batalha das Amazonas, por Rubens

Cultuavam, principalmente a deusa da caça e da lua, Ártemis, que era livre, independente, e verdadeira inspiração para elas.

Essa mulheres não tinham contatos com homens, a não ser 1 vez por ano, quando se dirigiam ao território vizinho, com a finalidade de ter filhos e dar continuidade ao seu povo de guerreiras. Assim, caso tivessem filhos meninos, enviavam a criança de volta à cidade do pai, para que o menino fosse criado por ele. Apenas meninas ficavam com as mães, que eram educadas para serem como elas, livres, donas de sua própria vontade e guerreiras. Podemos dizer que foram as primeiras feministas (?).

As Amazonas, por Tischbein

As amazonas eram lideradas por suas rainhas, e entre as mais conhecidas está Pentesileia, que teria participado da Guerra de Tróia. Nesta guerra, as amazonas se colocaram do lado dos troianos aliando-se a Príamo. Durante uma batalha, Pentesiléia,  travou uma luta corpo a corpo com Aquiles. A luta foi difícil e muito equilibrada entre os dois. Porém foi a rainha amazona quem tombou ao chão. Conta-se que o herói, diante de tamanha bravura, apaixonou-se pela moribunda, que há até muito pouco tempo era sua grande inimiga.

Aquiles e Pentesiléia, por Tischbein

Outra rainha bastante conhecida foi Hipólita, irmã de Pentesiléia, e seu cinturão mágico foi o objeto de um dos doze trabalhos de Hércules, dos quais falaremos mais tarde. Saqueadoras amazonas eram  frequentemente ilustradas em batalhas contra guerreiros gregos na arte grega.

Mulher Maravilha

Uma curiosidade super bacana é o fato de uma das personagens mais icônicas dos quadrinhos, a super-heroína Mulher Maravilha (Wonder Woman) da DC Comics, é totalmente inspirada na Grécia antiga e nas Amazonas. No universo dos quadrinhos, ela é filha da rainha Hipólita, princesa de Themyscira. Esta era o nome da cidade, ou capital, da nação das amazonas, e nos quadrinhos passou a ser uma ilha (também chamada de Ilha Paraíso). Bacana também observar que o nome da Mulher Maravilha é Diana, o mesmo nome da deusa Ártemis para os romanos.

Rainha Hipólita, da DC Comics
Rainha Hipólita, da DC Comics

Mulher Maravilha, além de ser uma guerreira e tanto – com habilidades de luta armada e desarmada – possui super poderes que lhe foram presenteados pelos deuses. Os poderes são: super força, capacidade de voar e agilidade sobrehumana. (Dizem que tem a força de Hércules, a sabedoria de Atena, a beleza de Afrodite e a velocidade de Hermes.)

Além dos super poderes, recebeu dos deuses os seguintes equipamentos: dois braceletes indestrutíveis, que usa para desviar projéteis e raios, uma tiara que pode ser usada como bumerangue e um laço mágico inquebrável que faz com que as pessoas laçadas digam a verdade.

Ela foi enviada ao mundo dos mortais com o objetivo de para espalhar uma missão de paz, bem como lutar contra o deus da guerra, Ares. Com o laço mágico, foi capaz de prender Ares e fazê-lo ver as loucuras e atrocidades que estava cometendo contra a humanidade. No mundo dos mortais de apaixonou por um mortal, o major das Forças Aéreas dos EUA, Steve Trevor, e por ele decidiu ficar nos EUA e não mais voltar para a sua terra natal após sua missão contra Ares. Nos EUA passou a integrar a Liga da Justiça.

Mulher Maravilha

O bacana dos quadrinhos é isso. Os autores tem a liberdade de criar coisas diferentes, realidades paralelas, misturar mitos com a realidades. E acontecem as coisas mais absurdas com os personagens, que morrem, voltam, realizam grandes proezas. Os quadrinhos, ao meu ver, nada mais são que a nova mitologia, a que nos faz sonhar e viajar nos dias atuais.

Espero que tenham gostado! Se tiverem dúvidas, só deixar um comentário. Até a próxima, e mais uma vez parabéns a todas as mulheres maravilhas que lutam por um mundo melhor.

Beijos! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *